O uso de sistema de informações geográficas para analisar a distribuição de usuários de droga em Goiânia atendidos pelo Hospital Espírita Eurípedes Barsanulfo

 

No Brasil, a droga é a principal responsável pela morte de indivíduos na faixa etária dos 16 aos 20 anos. Nas grandes cidades o aumento da criminalidade, homicídios, roubo de residências, veículos, assaltos, dentre outros está intimamente ligado ao crescente consumo de drogas. Por esse motivo é de suma importância conhecer o ambiente no qual está inserido o usuário de drogas, o tipo de droga utilizado, sua idade, renda e grau de instrução, além da dinâmica de sua movimentação dentro da cidade, passando assim a combater as causas e não o seu efeito.

As análises e os mapas temáticos foram realizadas levando-se em consideração o local de residência, o tipo de droga e a idade do usuário conforme a sua distribuição nas sete regiões politicas administrativas de Goiânia. Assim, essa pesquisa analisou os 7.494 usuários de drogas que se internaram voluntariamente no Hospital Espírita Eurípedes Barsanulfo, residentes em Goiânia, no período de 01/01/2003 a 31/12/2013 e que ficaram pelo menos cinco dias internados.

Na Tabela 1 estão alguns dados das sete regiões político administrativas de Goiânia, como: número de habitantes, área da região (km2), renda domiciliar média (R$), número de unidade de ensino (estadual e municipal) e locais de assistência à saúde como CAIS (Centro de assistência integrada à saúde), CIAMS (centro integrado de assistência médico – sanitária), UABSF (unidade de atenção básica a saúde da família), CAPS (centro de atenção psicossocial), laboratório e hospital público.

Na Tabela 2 está o número de usuários internados no período analisado, o tipo de droga utilizado e seu sexo, bem como o percentual de cada parâmetro.

Analisando a Tabela 2 percebe-se que o percentual de internos do sexo masculino foi praticamente constante, aproximadamente 90%, nos períodos analisados. Outro fator relevante na Tabela 2 foi a constante diminuição no percentual de usuários de álcool.

No período analisado de 10 anos, observou-se o aumento dos usuários de múltiplas drogas, segundo a Classificação Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde. Porém é informado apenas que o usuário faz uso constante de mais de um tipo de droga, e não informa qual delas foi a responsável pela sua internação. Assim ficou impossível determinar qual foi a droga responsável pelo maior número de internações. As drogas maconha, sedativos e hipnóticos, cocaína e alucinógenos, foram analisadas em um único conjunto e denominadas de demais drogas por terem um número reduzido de usuários se comparados com o álcool ou múltiplas drogas.

Para analisar a distribuição geográfica do usuário, seu endereço foi convertido em coordenadas geográficas usando o mapa urbano básico digital de Goiânia. Nas Figuras de 1 a 3 estão os mapas temáticos dos usuários de álcool e sua idade nos três períodos analisados.

FIGURA 1 – Distribuição dos usuários de álcool e idade nos períodos de 2004 a 2006

As regiões mais populosas e com maior renda por domicilio (centro, sul e sudoeste) são as possuem o maior número de usuários de álcool. Outro fato relevante é que a maioria dos usuários possuem mais de 41 anos.

FIGURA 2 – Distribuição dos usuários de álcool e idade nos períodos de 2007 a 2009

Comparando o mapa da Figura 2 com o da Figura 1, percebe-se que houve redução da densidade de usuários de álcool. Observa-se ainda que a maioria dos usuários possuem mais de 43 anos. A elevação da idade do usuário de álcool foi notada em todas as regiões. A maior concentração de usuários permaneceu nas regiões com maior renda por domicilio (centro, sul e sudoeste).

FIGURA 3 – Distribuição dos usuários de álcool e idade nos períodos de 2010 a 2013

Analisando a Figura 3 observa-se uma drástica redução dos usuários de álcool em todas as regiões. A maior densidade usuários de álcool foi observada na divisa das regiões centro, sudoeste e sul, que possuem a maior renda por domicílio. Praticamente todos os usuários de álcool das regiões centro, sul, leste e norte possuíam idade acima de 46 anos. Assim, pode-se concluir que apesar do uso do álcool se iniciar na adolescência, a doença alcoolismo se manifesta na idade adulta, conforme comprova os dados desde estudo.

FIGURA 4 – Distribuição dos usuários de múltiplas drogas e idade nos períodos de 2004 a 2006

Analisando a Figura 4 constata-se que a maior concentração dos usuários de múltiplas drogas está nas regiões centro, sul e sudoeste. Ressalta-se que essas regiões também concentram o maior número dos usuários de álcool. Nota-se que aproximadamente 85% dos usuários de múltiplas drogas possuem idade inferior a 33 anos, idade esta inferior ao dos usuários de álcool (41 anos) para o mesmo período analisado.

FIGURA 5 – Distribuição dos usuários de múltiplas drogas e idade nos períodos de 2007 a 2009

Ao comparar a Figura 5 com a Figura 4 percebe-se imediatamente a elevação de aproximadamente 50% da densidade de usuários de múltiplas drogas em todas as regiões, exceto nas regiões centro, sul e sudoeste que elevou mais de 62%. Observou-se também uma ligeira redução da idade do usuário de múltiplas drogas em relação ao triênio 2003-2006 de 33 para 32 anos.

FIGURA 6 – Distribuição dos usuários de múltiplas drogas e idade nos períodos de 2010 a 2013

Comparando a Figura 6 com a Figura 5 percebe-se que houve uma redistribuição dos usuários de múltiplas drogas saindo das regiões leste, centro e norte e migrando para as regiões sul e sudoeste. A idade da maioria dos usuários permaneceu próxima dos 32 anos.

As regiões centro e sul que possuem a maior população e renda por domicilio foram as que apresentaram maior concentração de usuários de álcool e múltiplas drogas. Em 2014 essas regiões responderam por 35% dos homicídios registrados em Goiânia. A idade da maioria dos usuários de álcool elevou ou passo que as dos usuários de múltiplas drogas diminuíram. Os usuários de álcool reduziram de 49,3% para 17,5% e houve elevação dos usuários de múltiplas drogas de 40,1% para 74,4%.

João Batista Ramos Côrtes, Fábio Campos Macedo, Solange da Silva

 

Deixe uma resposta